La trampa del control

Uno de nuestros pastores en una iglesia filial de Elim del extranjero tomó control de todas las actividades que se realizaban en su naciente congregación. Él se encargaba de la adoración, luego seguía con la predicación, luego colectaba la ofrenda, luego despedía a los hermanos y brindaba consejería a quienes lo necesitaban. Cuando le pregunté por qué lo hacía de esa manera me respondió que porque no había en la iglesia alguien que hiciera esas cosas bien. Que para asegurar que las cosas marcharan correctamente era mejor que él asumiera las responsabilidades. Así continuó durante algunos años hasta que su salud colapsó. Terminó en el hospital aquejado de diversas enfermedades.

Él había sido víctima de su propia trampa. Era cierto que no había en su iglesia personas que hicieran las cosas correctamente, pero porque él mismo no había creado el espacio para que las personas aprendieran. En su deseo de control y perfección cerró las oportunidades a las personas para que pudieran desarrollar con eficacia la obra del ministerio. Las personas se acomodaron y se volvieron participantes pasivos hasta que el pastor tuvo que pagar con un alto precio en su salud.

Lo mismo puede ocurrir en una célula cuando el líder no permite a sus miembros desarrollar funciones importantes del programa. Las cosas no serán hechas de manera perfecta al principio, pero solo debemos recordar que es el camino que todos hemos transitado en algún momento. Si no nos hubieran dado la oportunidad de comenzar, nunca hubiéramos aprendido. Es esencial abrir el espacio para la participación de los miembros de la célula si esperamos generar nuevos discípulos que, a su vez, generarán nuevas células.

TRADUCCIÓN AL INGLÉS

The control trap

One of our pastors in an Elim branch church from abroad took control of all the activities that were carried on in his nascent congregation. He was in charge of the worship, then continued with the preaching, then collected the offering, then dismissed the brethren and provided counseling to those who needed it. When I asked him why he did this, he answered that he had to, because there was no one else in the church that could do these things well; that in order to ensure that things were flowing properly it was better for him to assume the responsibilities. This continued for some years until his health collapsed. He ended up in the hospital suffering from various diseases.

He had been the victim of his own trap. It was true that there were no people in his church who did things right, but because he himself had not created the space for people to learn. In his desire for control and perfection he closed the opportunities for people to effectively develop the work of the ministry. The people settled in and became passive participants until the pastor had to pay with a high price on his health.

The same can happen in a cell when the leader does not allow his members to develop important functions of the program. Things will not be done perfectly in the beginning, but we should only remember that this is the path we have all traveled at some point. If they had not given us the opportunity to start, we would never have learned. It is essential to open the space for the participation of the members of the cell if we expect to generate new disciples that, in turn, will generate new cells.

TRADUCCIÓN AL PORTUGUÉS

A armadilha do controle

Um de nossos pastores em uma igreja braço da Elim no exterior tomou o controle de todas as atividades que eram realizadas em sua congregação. Ele era encarregado da adoração, então continuou com a pregação, depois coletava as ofertas, dispensava os irmãos e até mesmo fornecia aconselhamento aos necessitados. Quando eu perguntei por que ele fez isso, ele respondeu que tinha que fazê-lo, porque não havia ninguém na igreja que pudesse fazer essas coisas tão bem quanto ele. Ele achava que, para garantir que as coisas fluíssem corretamente, era melhor que ele assumisse as responsabilidades. Isso continuou por muitos anos e, finalmente, sua saúde desmoronou. Ele acabou no hospital sofrendo de várias doenças.

Ele foi vítima de sua própria armadilha. É verdade que havia poucas pessoas em sua igreja que pudessem fazer as coisas tão bem quanto ele, mas isso aconteceu principalmente porque ele não criou o ambiente para que as pessoas aprendessem e crescessem. Em seu desejo de controle e perfeição, ele não forneceu as oportunidades para que as pessoas efetivamente desenvolvessem o trabalho do ministério. As pessoas se acomodaram e se tornaram participantes passivos até que o pastor teve que pagar com um alto preço em sua saúde.

A mesma coisa pode acontecer em uma célula quando o líder não permite que os membros se desenvolvam e cresçam como discípulos através da participação ativa. As coisas não serão feitas perfeitamente no começo, mas nós devemos somente recordar que este é o caminho pelo qual todos nós passamos em algum momento. Se as pessoas que nos ajudaram não nos dessem a oportunidade de tentar, fracassar e tentar novamente, nunca teríamos aprendido. É essencial proporcionar oportunidades às pessoas para que possamos gerar novos discípulos que, por sua vez, irão gerar novas células.